Skip to content

Tribuna Entrevista: Adalberto Preis – Parte 1

abril 11, 2011

O blog Tribuna Gremista abre a seção Tribuna Entrevista com o ex-presidente da Grêmio Empreendimentos, Adalberto Preis, que abordará nesta primeira parte mais especificamente assuntos relacionados sobre a Arena do Grêmio.

Logo, é com enorme a satisfação que começo esse tópico no blog com uma figura histórica como Preis. Mais ainda, em poder ajudar muitos gremistas a terem uma oportunidade de ter esclarecimentos sobre o nosso futuro estádio. Então, aos blogs que quiserem publicar essa entrevista, que façam (de preferência com os devidos créditos), pois é um assunto que merece ser difundido. De resto, boa leitura!

1-      Como foi a sua experiência de presidir a Grêmio Empreendimentos, além dos principais feitos e contato com os torcedores durante a sua gestão?

Foi um período de dois anos, parte dele informal e parte formal, a última já com a Grêmio Empreendimentos registrada. Era época de muitas incertezas. A principal pergunta era: “A Arena vai sair”? Era chamada de “Arena de papel”, “Arena virtual”.

Forte corrente entendia que não se deveria investir nada sem a certeza – que não poderia existir naquele momento – de que a obra fosse efetivamente sair do papel ou do Power Point. O contrato celebrado continha uma dezena, ou mais, de cláusulas resolutórias e cláusulas precedentes que autorizavam a parceira OAS a desistir, a qualquer momento, sem nenhuma indenização; por fatos que independiam do Grêmio. Com o início das obras, a Arena tornou-se IRREVERSÍVEL.

Por tudo isso, tenho, juntamente com os companheiros que trabalharam na transformação da “Arena de papel” em “Arena de concreto”, enorme satisfação e o sentimento de missão cumprida. Parte do que aconteceu nesse período segue nesse breve relato com poucas palavras e riqueza de imagens.  Começando pela alteração do layout que acabou por fazer com que o Grêmio venha a ser proprietário de uma área de terras não inferior à da Azenha.

Para revisão total do projeto, adequação às novas orientações Fifa, o Grêmio contratou o escritório do arquiteto Carlos de La Corte. Considerado o relatório final meticuloso apresentado, pode-se dizer que a contratação era necessária trazendo total segurança ao Clube quanto ao Estádio que receberá. A seguir, alguns dentre a multiplicidade de itens abordados: a questão dos portadores de necessidades especiais (PNE) e a visibilidade dos espectadores.

Layout antigo Maquete com layout novo A seguir: Estudo de Viabilidade Urbanística com a disposição dos prédios e áreas de todo o projeto: A Arena terá um espaço  equivalente a quatro vezes a área construída do Olímpico.

Concluindo: o período de transformação do anteprojeto em projeto aprovado pelos órgãos competentes com a licença de construção levou cerca de um ano e meio, prazo considerado pequeno diante da magnitude do empreendimento.

Calou fundo nos gremistas em geral ver: ARENA VIRTUAL SE TORNA REALIDADE ARENA DE PAPEL SE CONVERTE EM ARENA DE CONCRETO

O prazo para conclusão da Arena é de 30 meses contados de 20/09/2010, portanto Março de 2013. A meta, entretanto, é concluir até dezembro de 2012.

Outro ponto no qual se trabalhou muito foi na questão das Isenções fiscais. As isenções municipal e estadual foram obtidas por lei e a federal depende de ser designada como estádio para a Copa das Confederações.

Durante todo o período houve grande mobilização entre gremistas, resultando “cadernos” de sugestões da Comunidade Arena do Orkut, do BloGrêmio e projetos isolados como o do Centro Médico e de venda das cadeiras do Olímpico. locadas Olímpico

Além da palestra já referida com a participação principal do Arquiteto Carlos de La Corte, podemos destacar como atividades nossas para o esclarecimento dos torcedores e associados gremistas:

  • Conselho Deliberativo (4 participações);
  • Entrevista Correio do Povo reproduzida pelo Site do Grêmio;
  • Entrevistas aos blogs Sempre Imortal e Globo (Minwer) reproduzida por vários outros blogs;
  • Encontros com Comunidade Arena (3);
  • Sábado do Torcedor (2);
  • Convenções Consulares (3);
  • Consulados de Santa Catarina – Florianópolis;
  • Consulado de Canela;
  • Grupos Políticos – Acima de Tudo, Menino Deus, Núcleo da Mulheres, Grêmio Independente, Sem Fronteiras (Canoas), Grêmio do Prata, Grêmio Sempre.

No Clicrbs há um “passeio virtual” pelas obras:

http://www.clicrbs.com.br/esportes/rs/noticias/default,3258943,FOTOS-360-faca-um-passeio-pelas-obras-da-Arena-e-do-Beira-Rio.html

2-     A Arena teve suas obras paralisadas devido às condições que a OAS dava aos trabalhadores e também resultando no embargo da Superintendência Regional do Trabalho e Emprego do Rio Grande do Sul (SRTE/RS). Gostaria de saber se o Grêmio deveria se posicionar de maneira mais incisiva nesse caso e como o clube poderia ajudar a evitar esse tipo de situação?

O Clube tem o direito e a obrigação de fiscalizar com todas as faculdades inerentes ao proprietário. A fiscalização completa detectará esse tipo de problema – no futuro – se houver.

3-      Passados dois meses, já podemos ter uma avaliação dos primeiros passos de Eduardo Antonini na presidência da Grêmio Empreendimentos?

Não tenho como avaliar, pois, até agora, não tive acesso a nenhum relatório de atividades. Registro como positivo – em se confirmando oficialmente – a continuidade da Consultoria do arquiteto Carlos de La Corte e equipe.

4-      Qual a importância para o Grêmio a Arena ser escolhida como uma das sedes da Copa do Mundo?

A escolha como Centro de Treinamento  criou as condições ambientais e políticas para as isenções fiscais municipais e estaduais. Para obter a isenção dos impostos federais dependeria de ser estádio para Copa das Confederações e/ou Mundial. Há também os benefícios de obras no entorno. Quanto aos jogos propriamente ditos, a importância é relativa.

5-      A Arena é o projeto de estádio mais organizado e adiantado em todo o Brasil? Por que não foi a escolhida como sede da CBF de imediato?

Boa pergunta. A ser dirigida à CBF. Acho que porque o Beira-Rio existia, a Arena era mero projeto, aliás, anteprojeto. Poucos, dentro e fora do Grêmio acreditavam que o Power Point se materializaria em obra, e que a arena virtual se transformaria em Arena de concreto e aço.

A lógica indica que será um desses casos em que a não-escolha terá maior repercussão do que se tivesse sido escolhida. Ninguém vai entender.

6-      A que ponto a Arena será o ponto de partida para elevar o Grêmio a outro patamar estrutural e financeiro no futebol mundial?

As simulações projetadas indicam um significativo aumento do fluxo de receitas para o Grêmio, média anual de R$ 32 milhões de reais líquidos, pelos 20 anos da parceria, e o patrimônio a ser recebido pelo Grêmio está estimado em cerca de R$ 300 milhões. Tudo em valores nominais de 2008.

A passagem para a Arena exigirá a reestruturação total do Clube, dispensa de atividades meio secundárias com dedicação total ao “core business”: “Entretenimento sócio-esportivo focado no futebol”, ao cumprimento da Missão do Clube que é “Satisfazer o universo de torcedores e o público aficionado, com  vitórias e conquistas de títulos, tudo conforme definido no Plano Estratégico do Grêmio aprovado em 2004, revisado em 2006 e em 2010.

One Comment leave one →
  1. Juliano permalink
    abril 13, 2011 12:42 am

    Po muito legal todo esse material, parabéns.

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: