Skip to content

A flauta desnecessária

dezembro 17, 2010

Cerimônia de posse do Grêmio é marcada por corneta ao Inter – Foto: Mauro Schaefer

Toda flauta é resultado de um tropeço da parte que ouve em contraste com a alegria da parte que vê o drama. No caso da dupla Gre-nal, a flauta é um eterno ingrediente da rivalidade. Em outros estados ela perpetua há anos, talvez séculos. Mas aqui no Rio Grande do Sul, a flauta toma proporções inimagináveis e, por vezes, desnecessárias.

O Internacional sucumbiu diante do seu sonho de que o raio cairia duas vezes no mesmo lugar. Queria levar o Mundial com a mesma sorte que levara em 2006, naquele gol antológico de Gabirú. Deus, justo que só Ele, tratou de corrigir o grande engano e nos brindou com esse tropeço memorável dos colorados. O torcedor gremista ouve há anos a flauta de torcedores colorados. Mas a gangorra, como todos sabem, nem sempre está alta para um e baixa para outro. Tem vezes que, com uma pequena brisa (sim, em pleno dezembro), ela faz questão de mudar a inclinação da gangorra. Quem está em cima passa a ver as coisas de uma parte inferior. Já quem está embaixo, eleva-se a uma escala que é uma mistura de alegria, euforia, confiança e esperança. Aí, meu amigo, entra a ponderação e o bom senso.

Nesta quarta (15), durante a posse do novo presidente do Grêmio, Paulo Odone, ouvimos coisas que não precisávamos ouvir. Faz bem para o ego, faz bem para a musculatura da face que movimenta-se incessantemente quando damos gargalhadas, mas não faz bem para a rivalidade. Odone reservou boa parte do seu discurso para flautear a eliminação precoce do rival.

Eu (vejam bem, EU, não julguem como uma opinião geral do Blog) acho desnecessário. Odone deve (e assim o fez) ressaltar os projetos do Grêmio, a nova composição do Conselho Deliberativo, fazer balanço dos erros e acertos da gestão de Duda Kroeff, pensar na Arena, a nova casa do Tricolor a partir de 2012 e, quem sabe, soltar uma flauta modesta, uma indireta ao co-irmão. Mas Odone e Kroeff foram enfáticos, nada discretos. Puxaram as metralhadoras e dispararam para todo e qualquer alvo. Isso causa euforia ao torcedor, causa espanto na imprensa que noticia toda declaração como uma provocação surreal e intolerável, causa raiva no rival. Eduardo Antonini seguiu o mesmo caminho e “sugeriu” um convite ao Mazembe para que participasse da inauguração da Arena.

Não, não estou criticando a flauta, justificando a atitude da imprensa e nem dando razão para a réplica ou tréplica de quem quer que seja. Estou apenas questionando a necessidade de se fazer isto. O torcedor, por si só, tratou de rebaixar o Inter ao grau mais supremo das humilhações. Precisa um presidente provocar de tal maneira?

É engraçado ver o Kidiaba esfregar-se no gramado? É. E muito. É engraçado ver seu maior rival perder o título que ele mais aguardava no ano para um clube que não existe no mapa? É. É demais, é inexplicável. Mas apanhar todos esses fatores e inseri-lo numa cerimônia de posse de nova direção, que marca o recomeço de uma nova era, como o próprio Odone ressalta, onde o Grêmio buscará o Mundial novamente. E tem todos os ingredientes para conseguir.

Apenas acho que a flauta, seja ela sadia ou não, deve ficar para o torcedor e tão somente para o torcedor. Dirigente, como a própria palavra sugere, tem que dirigir, guiar a instituição pelo caminho correto, e não utilizar momentos importantes na vida do clube ou a própria imprensa para soltar provocações.

Quer exemplo melhor do que aquela famosa frase antes do Gre-nal 373, onde o então (e atual) presidente Odone afirma que o Grêmio “passaria a máquina no Inter”. O desfecho da história todos sabem.

É por esses e por outros milhares de motivos, inclusive a boa relação política entre os clubes, que eu vejo como desnecessária essas declarações, de ambas as partes. Até porque o Internacional, através das figuras carimbas de Vitório Píffero e Fernando Carvalho, já metralharam muita bobagem aos jornalistas para respingar na torcida rival. Os jornalistas, por sua vez, estão doidos por uma declaração para transformar em guerra.

Nesse caso, nenhum dos dois clubes faz questão de frustrar os planos da imprensa, sempre pronta para uma notinha polêmica.

Anúncios
14 Comentários leave one →
  1. Claudio permalink
    dezembro 17, 2010 1:36 am

    Talis,

    Gosto dos teus posts mas esse aí não foi legal. Imagine o que o derróteo e o bla bla falariam se fosse o contrário. Estou cansado de ouvir essas bibas coloridas encherem o saco e o nosso presidente político duda achar que tem que ser gentleman. CHEGA. Agora é nossa hora. Que se f os macacos e todos aqueles ligados a ele. Já não basta essa impremsa ridícula pra nos chatear agora vem vc querer ser politicamente correto???

    • dezembro 17, 2010 1:46 am

      Primeiramente obrigado pelo elogio. Em segundo lugar, não tô querendo ser politicamente correto. Só questiono a validade, ou melhor, a necessidade dessas provocações.

      Citei a questão da “máquina do Odone”. Aquilo gerou uma mini-guerra entre os dirigentes, inflamou o ego dos colorados. O resultado? Tu deves lembrar. O Odone e o Grêmio acabara soterrados pela própria máquina que eles inventaram.

      A flauta entre torcedores tem que ser eterna, o fiasco é enorme, mas acho que dirigentes não precisavam envolver-se de tal forma. Isso nunca trouxe benefício nenhum. Aliás, um clube grande não é mantido somente pelos títulos que conquista, mas sim pela superioridade que demonstra.

      Por mais que possa parecer politicamente correto, ser ponderado geralmente evita problemas no futuro, incluindo a famosa “língua queimada”.

  2. observador permalink
    dezembro 17, 2010 1:47 am

    Qantas e qantas vz os coloridos tocaram a flauta?,era ajax,palmeiras,boca,aviaozinho blablabla,a flauta é valida não podemos nos acadelar e fazer fair play, futebol é pra macho,e rivalidade conta sim senhor,eles podem avacalhar..pq temos q ser politicamente corrertos MAZ KIDIABA é isso tche!!heheh

  3. dezembro 17, 2010 7:14 am

    Concordo plenamente com Talis,

    Claudio e Observador, não é questão de ser politicamente correto, e sim ser responsável em primeiro lugar e, em segundo, ter a consciência de que se quisermos mesmo trazer essa gangorra para o nosso lado, precisaremos trabalhar mais e falar menos. Não será por meio de corneta que iremos recuperar a hegemonia perdida em 2001.

    Não sou contra a corneta, pelo contrário, quem acompanha o Twitter deste blog (http://twitter.com/BlogGremio1903), o qual sou responsável, verá que sou corneteiro mesmo. Mas sou torcedor, não cometi nenhuma baixaria e sempre tentei manter o nível. Por sua vez, o dirigente tem outra responsabilidade, bem maior do que a de um mero torcedor.

    Num futebol marcado cada vez mais pela tese do “meu adversário é meu inimigo”, essa responsabilidade é ainda maior. Claro que se muda isso por meio de uma educação familiar mais presente e um Governo mais atuante na formação de uma consciência cidadã na população. Mas até lá, não cabe ao dirigente alimentar essa guerra. Guerra que, inclusive, deixou uma gremista como vitima, ao levar uma pedrada na cara.

    Por sua vez, a imprensa busca essa guerra. Aposto que a corneta do Odone não ocupou nem 5% de sua frase, mas foi o bastante para ser manchete. Pronto, temos o que eles precisam. Daí, em Abu Dhabi, outro jornalista pergunta: “O Odone disse isso e aquilo, o que acha?”. Logo em seguida vêm Fernando Carvalho, Vitório Píffero, Roberto Siegmann e até Rafael Sóbis falando asneiras ainda maiores.

    Então pergunto a vocês, o que isso acrescenta para a rivalidade? Coisa boa que não é. É mais torcedor tratando o tema com raiva e não com a corneta saudável. Ou em certos momentos, partindo para violência. Portanto, os dirigentes foram irresponsáveis sim, tanto do nosso lado como do lado deles.

    E outra Claudio, sabe quando vai ser a nossa hora? Quando voltarmos a conquistar título importante, algo que estamos há 10 anos de jejum. É tempo demais. Não será apenas pelo fracasso deles que mudaremos isso. Afinal, eles fracassaram na Libertadores 2007, ao se tornarem o primeiro “atual campeão” a ser eliminado na primeira fase. Eles levaram de 4 da LDU na Recopa em 2009 e perderam em casa a Copa do Brasil para o Corinthians no mesmo ano. Adiantou? Nada, eles nos igualaram na Libertadores e por um triz não desequilibram a história do clássico ao conquistarem o Bi Mundial.

    Quero ver trabalho por parte do Grêmio, gestão profissional, time capacitado para grandes conquistas, depender menos do fator “imortalidade” e com isso levantar novas taças. Chega desse marasmo. Não quero ficar comemorando pra sempre os vexames deles. Precisamos comemorar os nossos feitos, como fizemos ao longo de 20 anos. Quando isso ocorrer, aí sim será a nossa hora.

    • enio jr permalink
      dezembro 17, 2010 8:47 am

      Concordo contigo Bruno, eu até mandei um e-mail pra ouvidoria do clube expondo o meu ponto de vista (e de muitos, com certeza) sobre esse epísódio, o Odone não pode se tornar um Píffero, falastrão e abobado. Como disseste, não ganhamos nada pra estar com essa euforia toda. Foi divertido ver os soberbos se acadelando pro Mazembe, foi, mas como foi. Mas como diz o próprio Píffio, Torcedor torce, dirigente dirige. Odone pisou na bola. A maior flauta que ele poderia ter tocado era ignorar solenemente o rival. Foi dar corda pra imprensa vermelha, agora já viu. Tá feita a merda, só espero que não tenhamos que engolir essa flauta logo ali na frente. ABRE O OLHO SEU ODONE, ESTAMOS DO SEU LADO, MAS NÃO VACILA, TCHÊ!!!!!

  4. Régis permalink
    dezembro 17, 2010 10:02 am

    Sem dúvidas, senhores, não cabe à diretoria, preocupar-se tanto com o rival, ao ponto de chamar o Mazembe, para participar da inauguração de algo tão grandioso quanto a nossa Arena, afinal, seria dar muita importância ao clube adversário. Nós torcedores, já tratamos de esculachar os vermelhinhos de tudo que é jeito. Sigamos o nosso rumo, sem que eles sejam lembrados – nem que seja por chacota – na inauguração de um marco na vida do clube e do torcedor Tricolor. Nada melhor que aprendermos lições diante dos erros de outrem.

  5. heraldo permalink
    dezembro 17, 2010 10:09 am

    KIDIABA é isso.
    Passamos 2009 e 2010, duvidando do GREMISMO de duda e meira, pois eram uns patetas, agora porque nossos dirigentes zoam com quem nasceu para ser zoado, vcs vem com essa, francamente.
    E quando a gangorra estiver do outro lado,a zoação vai ser maior, e em vias de fato, cade esta imprensa de merda , falando da menina que foi apedrejada?
    Cade o post falando desta atrocidade?
    Acho que não é a intenção de voces, mas, simplesmente estão sendo pau mandado da rbsteira.

    • dezembro 17, 2010 10:53 am

      Heraldo, não vamos falar do caso da gremista que levou a pedrada na cara, porque aqui não é programa do Datena. Além do mais, fazer um post desses exige muito cuidado, pois não quero tachar aqui que eles são marginais. Imbecis existem nos dois lados e em todas as torcidas, e cabe a eles pagarem por seus crimes conforme diz a nossa Legislação.

      E não entendi porque está dizendo que estamos bancado uma de “pau mandado da RBS”, se esta é o grande alvo de críticas. Sigo afirmando que o dirigente precisa ser responsável, pois há torcedores que não assimilam isso de maneira ideal. É a necessidade de momento.

      Além do mais, a posse de um presidente do Grêmio, cabe abordar do Grêmio, apenas isso. Eles são recalcados, eles nos copiam, eles que vão ao Mundial e ficam secando uma vaga do Grêmio, eles vão ao Mundial e continuam a falar do Grêmio. Não somos nós ou, pelo menos, não deveriam. Estou cansado de discursos no Olímpico. Quero ação. Quero títulos. Simples assim.

  6. Luciano permalink
    dezembro 17, 2010 11:28 am

    Tchê, isso é futebol. Como gremistas não somos moralistas, pregando “boa política demagoga” como eles.
    Mandaram bem.
    Se vocês frequentam o Monumental sabem do que estou falando.
    Nossa torcida é odiada pelas demais pelo escárnio oportuno que faz os adversários se morderem de raiva. Lembra: futebol, não discurso da ONU.
    Dirigente tem que representar a torcida sim.
    Valeu Odone e, quem diria, Duda!

    • dezembro 17, 2010 12:03 pm

      Luciano, sei como é no Olímpico. Só não aprovo cantar músicas em alusão ao Inter quando o adversário é outro, mas beleza, é do torcedor. O dirigente também é um torcedor, mas ciente que seus atos ganham proporções maiores. Como disse, quero que o Inter se exploda, mas quero ver o Grêmio recuperar a hegemonia. E numa cerimônia, a preocupação das cabeças pensantes do Olímpico deveria ser apenas essa.

  7. Márcio permalink
    dezembro 17, 2010 12:39 pm

    Báh… Vcs tão viajando….
    Primeiro, não sei se vcs presenciaram a cerimônia, eu não estava lá, por isso sempre tenho o pé atrás para o que a imprensa fala. A flauta obviamente existiria, e vai ver nem foi tudo isso que foi publicado, como por exemplo que a maior parte da fala de Odone foi sobre os vermelhos… Tenho lá minhas dúvidas! Mas tudo bem.
    Depois, o Grêmio é muito maior que o rival, tanto é que está estampado, tamanho o fiasco!
    É final de ano, o Grêmio encerrou seu semestre em boa fase e o mesmo não aconteceu com o outro lado. Os dirigentes realmente têm o dever de se preocupar com os propósitos do Grêmio, mas convenhamos a flauta era necessária. Lendo o teu post, por cima, dá a impressão de que tenha medo de que o inverso possa vir acontecer e que a soberba dos dirigente rebaixaria o nível do Tricolor Gaúcho ao dos ribeirinhos. Se for esse o teu medo, tenha sempre em mente que o Grêmio é o Grêmio, esse sentimento não é a toa, lembre-se do Grêmio da década de 80 e 90, em que conquistou seus maiores títulos, a flauta corria solta aos acuados melindrosos do beira lago. Renato Portaluppi, Paulo Nunes (que fez o gol no grenal de bicicleta, com o banguzinho, e saiu pulando como saci), Mazzaropi quando vibrava e corria pros lados da bandeira de escanteio e ajoelhava-se, e, até, Tião Macalé (rsrs). Hoje nossos jogadores não tiram flauta do rival, pois um dia poderão jogar lá, profissionais!
    O Grêmio é grande e temos realmente que nos fortalecermos com muitas conquistas, mas essa flauta que tu diz desnecessária, em nada interfere, o Grêmio provavelmente passará por momentos difíceis, como a época do rebaixamento, por exemplo. Mas não te preocupe, que fiasco como o provido pelos rivais, não irá acontecer, pois aqui estamos falando de Grêmio, por mais que tu estejas te acostumando com os não títulos e com receio do que possa acontecer, seremos sempre maiores. E como disse Eduardo Bueno no DVD de 10×0 anos de grenais os ribeirinhos são “avateres… uma cópia mal feita”.
    Então meu caro, derrotas acontecerão, aí sim tem que controlar a flauta antes das partidas, mas fiasco… Fiasco não, deixa pros ribeirinhos.

  8. Luiz Carlos Filho permalink
    dezembro 17, 2010 1:29 pm

    Torcedor é torcedor, diretoria é diretoria. A corneta vinda da nossa direção que mais doiria neles seria a mais discreta. Do jeito que foi parece que não estamos preocupados com o nosso time. O pior baque neles vai ser ganharmos a libertadores 2011. Rezo pra essa direção manter o time atual e não inventar de ficar trazendo medalhões pra sugarem o Grêmio.

  9. Reinaldo permalink
    dezembro 18, 2010 12:27 am

    Tem mais é que zoar esses manés colorados. Ficamos ouvindo bla bla e derróteo falando besteira muito tempo. Maior fiasco da história do futebol sul americano. Punição da COMENBOL já!!!! Não podemos ficar dando a outra face pra esses arrogantes. Buno e Talis vocês estão viajando…

  10. borracho permalink
    dezembro 19, 2010 1:25 pm

    Concordo com todos q defendem a flauta, e digo mais, essa “guerra” q tu ta querendo apazaguiar ja existe a mais de 100 e nao tem nada a ver com a imprensa ou ser politicamente correto. O fato da provocaçao ser feita pelos dirigentes so torna ela ainda mais satisfatoria para os gremistas e mais dolorida para os macacos… eh como o Heraldo falou, eles ficaram muito mal acostumados com o Duda no comando do Gremio mas sempre tirando sarro disso e agora q as coisas “voltaram ao normal” querem vir falar em respeito. CHORA MACACO! O SONHO ACABOU, MAS AS 20 PRESTAÇOES DA CVC AINDA NAO! ahuauhsuahsuahas

    Boa relaçao entre os clubes?! As coisas podem ate ter chegado perto disso em algumas epocas, mas tu esquece q o Sport Club 2006 andou roubando uns guris da nossa base recentemente? E oq a macacada mais fez nesses 4 anos de historia deles foi pisar em cima dos gremistas… nada mais justo do q retribuirmos isso agora no momento de maior dor e mostrar pra eles como se conquista um mundial no ano q vem! A unica coisa q eu nao gostei foi a ideia de fazer uma camisa q nem a do Mazembe. Isso sim eh reduzir o tamanho do Gremio a rivalidade com o Sport Club 2006.

    Sobre o receio da provocaçao nos macacos, so digo uma coisa:

    JAMAIS TEMER! NAO SOMOS COMO OS PUTOS DO INTER!

    😀

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: