Skip to content

Brasileiro’10: Seguindo na briga

novembro 21, 2010

O clima deste sábado era de otimismo no jogo contra o Atlético-PR, embalado pela boa notícia quanto à renovação de Renato nesta sexta-feira. Antes brigando para sair da zona de rebaixamento e dominado pelos desmandos de Meira e Silas, o Grêmio tinha a oportunidades de, pela primeira vez, entrar no G-4 do Campeonato Brasileiro, vencendo um adversário direto nessa disputa.

Com a bola rolando, o Grêmio deu razões para a existência da confiança que tinha o torcedor gremista. Em menos de 12 minutos, o time de Renato criou boas oportunidades e ainda teve dois pênaltis sonegados pelo árbitro Sálvio Spínola. O primeiro, aos 7 minutos, quando Manoel, com braço aberto, impede a passagem da bola dentro da área. O segundo ocorreu aos 11 minutos, em que Fábio Santos é deslocado pelo jogador atleticano.

Apesar de ser prejudicado logo cedo, o Grêmio saiu na frente no marcador, fazendo justiça ao contexto do jogo. Após lançamento de Douglas e bola escorada no peito por André Lima, Neuton, em jogada brilhante, deixa Rhodolfo passar com um carrinho desgovernado e enche o pé para fazer 1×0 para o Grêmio, aos 13 minutos de jogo.

Foto: Ricardo Duarte/ClicRBS

Com o placar aberto, o ideal seria o Grêmio manter o ritmo inicial para preparar uma goleada. Contudo, um lance pôde mudar os rumos da partida. Depois de sonegar dois pênaltis ao Grêmio, Sálvio Spínola inventou outro para o Atlético-PR, em lance que Neuton supostamente teria derrubado Guerrón.

Primeiro que, no mesmo lance, o equatoriano havia puxado a camisa de Fábio Santos, tirando-o na jogada. Ou seja, falta não marcada. Segundo, embora Neuton tenha esticado a perna, Guerrón se projetou para cair antes do contato físico. Logo, tratou-se de uma encenação. Mas Paulo Baier nada teve a ver com isso e chutou bem, sem chance para Victor defender. Injustamente, o jogo estava empatado.

Com placar de 1×1, a partida ficou complicada para o Grêmio. O Tricolor seguiu criando chances, principalmente com Lúcio, que chegou a mandar uma bola no travessão. Por sua vez, o goleiro Neto ganhava destaque ao impedir o segundo gol gremista. Mas o Atlético foi muito perigoso nos contra-ataques, como no lance em que Paulo Baier passou para Guerrón, livre, chutar cruzado na saída de Victor, com a bola passando frente ao gol e indo para fora.

Foto: Lucas Uebel / VIPCOMM

No segundo tempo, o duelo seguiu truncado, com Grêmio até jogando melhor, mas sempre sob o risco do Atlético-PR virar a partida por meio dos contragolpes. No entanto, Sálvio Spínola apareceu mais uma vez aos 13 minutos, marcando pênalti, desta vez a favor do Tricolor. Foi? Não, Edilson se jogou, numa bela encenação, a lá Guerrón. Mas isso nos paga os dois pênaltis sonegados a favor e mais uma penalidade injusta marcada contra? Longe disso.

Assim como Paulo Baier, Douglas também tinha nada a ver com isso e chutou com categoria, dando justiça ao placar de 2×1. Em vantagem no marcador, o Grêmio teve dois problemas com lesões. Primeiro a sair foi Junior Viçosa, que caiu no gramado com dores na perna. Diego Clementino entrou em seu lugar aos 25 minutos. Por último, Edilson sentiu uma torção séria, que pode tirá-lo do restante da temporada, assim cedendo lugar a Ferdinando.

Para matar de vez os atleticanos, nada melhor do que o nosso talismã fazer esse serviço. Impressionante como Diego Clementino parece estar no lugar certo e na hora certa. O camisa 16 recebeu bola de Douglas pela direita, tirou dois marcadores do Atlético e chutou no canto direito de Neto. Diga-se, conclusão semelhante ao de Messi no amistoso entre Brasil e Argentina neste meio de semana. Com gol do predestinado, o Grêmio vence o Atlético-PR por 3×1, ingressando no G-4.

Foto: Fernando Gomes/ClicRBS

Bem, apesar de comemorar o ingresso ao G-4, a definição será mesmo no dia 5 de dezembro, contra o próprio Botafogo. Isso porque o alvinegro carioca tende a vencer o Inter, que a exemplo de 2008, deve entregar a partida, uma vez escalando reservas para o confronto. Contudo, farei coro aos colorados recalcados e também torço pelo time de Celso Roth entregar, levando 5×0. Afinal, não dependemos deles.

Sobre o jogo, Douglas me pareceu sumido em alguns instantes. Porém, esqueci que um camisa 10 da qualidade dele, não faz show, mas é eficiente. Ele participou de dois gols e marcou outro por pênalti. Diego Clementino dispensa palavras, enquanto que Junior Viçosa, mesmo sem brilhar, deixou-me otimista quanto ao seu futuro futebolístico. De resto, não houve destaque negativo pelo Grêmio.

Apesar disso, minha lamentação vai pela desastrosa arbitragem do senhor Sálvio Spínola, que teve a proeza de dar apenas um amarelo em Guerrón, depois de oito faltas do equatoriano. Os dois pênaltis marcados não ocorreram e deixou de dar outros dois legítimos a favor do Grêmio. Embora o time de Renato merecesse a vitória, a arbitragem teve, infelizmente, papel na formação do placar final, prejudicando mais o Grêmio.

Anúncios
One Comment leave one →
  1. observador permalink
    novembro 21, 2010 10:30 pm

    Bm, do primeiro angulo q vi na tv foi penalti no Edilson,e tbm foi penalti no Fabio Santos ele foi deslocado dentro da area.O neuton fez penalti na minha opiniao,ele é um baita jogador mas faz umas faltas bobas.P.S os coloridos ganharam,e daí? Muitos vao dizer “não entragamos,bla,blabla…”mas o q isso importa,apenas ingressamos no g4,não temos garantias d nada,mesmo perdendo ou ganhando o inter não mudaria em nada nossa vida no campeonato com vitoria,dependemos apenas de nós!!

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: