Skip to content

DIRETO AO PONTO: o futuro, enfim, parece estar favorável

outubro 5, 2010

Havia tempo que o Grêmio não passava por um período tão favorável. Um período de vacas gordas, de redes (dos adversários) estufadas, de Olímpico quase lotado e de campanha digna de time grande. De time grande não, de clube grande. Porque o time do Grêmio não é nem de longe aquilo que se esperava para 2010. Não é um elenco galático, não é um grupo onde a maioria dos jogadores aptos a vestir a camisa da Seleção Brasileiro, como se vê em alguns times por aí. Mas, justiça seja feita, é um time batalhador.

O Grêmio tem, neste segundo turno, a melhor campanha entre todos os times da Série A. Uma condição que não nos torna favorito a nada, não nos condiciona a vaga alguma, não nós favorece de maneira nenhuma. Trata-se de uma condição que deixa exposto, mais do que já estava, que a figura de Renato Portaluppi modificou o ambiente do Grêmio, como eu já tratei na coluna da semana passada.

O Grêmio perdeu um tempo precioso ao manter o técnico Silas, derrubado hoje do comando do Flamengo, e o vice de futebol Luiz Onofre Meira. Ambos não acrescentavam mais nada ao clube, enquanto o presidente Duda Kroeff omitiu-se e bancou a permanência da dupla. Ruim para o Grêmio, que perdeu pontos preciosos e, se tivesse trocado antes, poderia hoje estar entre os integrantes do G-3, G-4, G6, que seja.

Renato deu outra cara ao time do Grêmio. Foto: Tatiana Lopes

Renato deu outra cara ao time do Grêmio. Foto: Tatiana Lopes

Renato, como bem disse o colega Bruno, já conseguiu seu espaço como técnico. Firmou-se da maneira mais perfeita que poderia. Talvez nem ele imaginasse que colocaria o elenco do Grêmio numa ascensão tão impressionante, com direito a retomada dos pontos “esquecidos” fora de casa e do bom futebol que há muito tempo não se apresentava.

É desnecessário elogiar Renato, já o fiz aqui. Mas cabe lembrar, sempre que possível, que uma vaga para a Libertadores hoje já não é um absurdo, uma impossibilidade. O Grêmio correrá atrás dessa vaga até o fim do Brasileirão. É pouco se for compará-la com o tamanho do clube, consagrado por figurar sempre no cenário dos grandes favoritos a todo e qualquer título expressivo no Brasil ou fora dele. É muito se for compará-la com a campanha medíocre que fizemos na era Silas/Meira. É mais do que esperávamos de Renato. É mais do que esperávamos do nosso próprio elenco. É mais do que eles mesmos esperavam, tenho certeza.

O presidente que assumir (Odone, provavelmente) terá a missão, fácil, de manter Renato Portaluppi no comando do time. A partir daí, com um técnico que conhece mais do que ninguém o clube que treina e os atalhos para as taças, a receita do sucesso está armada. Agora é torcer para o ano de 2010 acabar, o Grêmio sugar uma das vagas na Libertadores e começar o ano de 2011 com o pé direito. Brigando por todo e qualquer título, com a vontade e a raça de Renato.

Mais do que isso: com a esperança (cada vez maior e, dessa vez, mais evidente) de ter de volta um futuro que parece, enfim, se tornar favorável.

@talisramon escreve toda segunda-feira (quando possível) para o blog.

Anúncios
No comments yet

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: