Skip to content

Vicente Martins diz que diretoria é omissa quanto a BM

julho 7, 2009

Foto:  Guaracy Andrade - ClicRBS

 

 

Foto: Guaracy Andrade - ClicRBS

Em entrevista divulgada no site do Movimento Grêmio Independente, Antonio Vicente Martins declarou que a atual direção é omissa e subserviente à Brigada Militar quanto à proibição de uso das faixas e bandeiras e também por não defender os torcedores após a truculência dos brigadianos.

Até aqui, Vicente Martins está correto. A confusão do bloqueio que a BM fez para impedir a entrada de torcedores com ingressos para o jogo Grêmio e Cruzeiro foi o episódio mais triste da gestão Kroeff até aqui. Não só por permitir que a BM tenha uma autoridade que deveria ser exclusivamente do Grêmio, mas pela frieza que a direção tratou os torcedores após o incidente.

Entretanto cabe um questionamento: Essa realidade seria diferente caso Vicente Martins fosse presidente? Gostaria de acreditar que seria, mas não creio. O abuso das autoridades policiais com os torcedores não é uma exclusividade do Grêmio, e sim algo muito corriqueiro no nosso futebol.

Torcedores de mais diversos clubes brasileiros sofrem pelos abusos policiais e os dirigentes fazem absolutamente nada para defendê-los. No Brasil, os torcedores ainda não são vistos como clientes de um empreendimento comercial, como ocorre com os clubes na Europa. O torcedor brasileiro vai a estádios com condições precárias, força policial excessiva e com horários indesejáveis, dependendo da vontade das emissoras de televisão.

Diante desse contexto, se Vicente Martins conseguisse mudar essa realidade de abuso policial, não seria só uma revolução na relação entre o Grêmio e a sua torcida, mas também uma revolução no futebol brasileiro. E é bom salientar que a força excessiva da BM também esteve muito presente na gestão Odone, a quem Vicente Martins representou.

Portanto, com todo respeito, mas isso me parece certo oportunismo. E tive a  mesma sensação no GREnal 376, quando ex-candidato afirmou sobre a incompatibilidade de Celso Roth com a torcida, que mais uma vez pedia a sua saída, após derrota no clássico. Porém, é pouco provável que mesmo se Vicente Martins vencesse as eleições presidenciais, Roth tivesse vida curta, já que o mesmo também era mantido por Paulo Odone contra o desejo de boa parte da torcida e mídia.

Por essa razão, não acredito que o abuso da Brigada Militar acabaria com o candidato do MGI, embora esperasse, assim como esperei por parte de Duda Kroeff, uma retratação mais bem elaborada ao torcedor que sofreu no Olímpico com o incidente naquele 2 de julho. Por outro lado, espero estar errado.

Anúncios
9 Comentários leave one →
  1. Luciano permalink
    julho 8, 2009 1:07 am

    Bruno, sou sócio patrimonial, e acompanho teu blog, bem como os demais blogs INDEPENDENTES dedicados ao Grêmio. Dedicação que não se restringe somente às questões envolvendo futebol – qualidade do time, jogadores, táticas, esquemas etc -, mas ao Grêmio de modo geral – gestão da entidade, clube, patrimônio, torcedores (sócios e não sócios), estratégias de marketing, finanças, entre outros tópicos pertinentes. Cumpre salientar, antes de adentrar no assunto que abordaste, o respeito que tenho com a tua opinião. O conhecimento acerca da atual situação do futebol brasileiro, em conjunto com a notória entrega que tens aos assuntos tricolores, demonstram, acima de tudo, interesse pelo Grêmio. Eu, por exemplo, não tive a iniciativa de criar e manter um blog atualizado exclusivamente ao tricolor. Isso reconheço como gremismo.
    Ocorre que não posso concordar com tua colocação, uma vez que o fundamento que utilizaste para conceituar a atitude do Vicente (oportunismo) partiu de uma premissa equivocada, viciada. Afirmar que SE presidente fosse, Vicente Martins nada mudaria, não pode ter como justificativa sua participação conjunta com Odone na última eleição. Se Odone pouco fez para resolver os mesmos problemas, não necessariamente Vicente também não resolveria. Utilizar as flagrantes similitudes dos problemas atuais com aqueles enfrentados na gestão anterior, para concluir que Vicente Martins também não os resolveria, não segue um nexo imprescindível a conclusão objetivada. Com a devida permissão da discórdia, trata-se de um silogismo viciado, onde a conclusão surge do encontro de uma premissa real (Odone não foi efetivo) e uma premissa hipotética (Odone e Vicente Martins eram do mesmo grupo político, logo, nada mudará quanto à forma de gestão). Hipótese, essa, que inclusive não possui sustentação. Não preciso ressaltar aqui que essa é MINHA opinião. Até porque estou assinando essa manifestação.
    Enfim, seguindo o raciocínio, a ausência de base argumentativa a que me refiro se dá na medida em que a própria premissa hipotética não se coaduna com os fatos pertinentes. Desse modo, a hipótese passa a ser pouco provável. Senão vejamos. Lembra que após a posse de Krieger e Cia na direção do futebol, no ano passado, o Grêmio Independente (do qual Vicente Martins faz parte) retirou apoio a Paulo Odone? É só conferir no link
    http://www.clicrbs.com.br/esportes/rs/noticias/default,1829263,Grupo-de-conselheiros-retira-apoio-a-Paulo-Odone.html
    Foge à lógica argumentativa sugerir que determinada pessoa seguiria exatamente a mesma política de gestão de outra, pelo simples fato de já terem composto uma chapa eleitoral juntas. Se assim fosse, nossos conselheiros, que PODEM SE INSCREVER EM TODAS AS CHAPAS SIMULTANEAMENTE EM UMA MESMA ELEIÇÃO (conclui-se, assim, ser impossível ficarem de fora do conselho, no maior exemplo de que inexiste uma verdadeira democracia no Grêmio), não poderiam se opor a qualquer ato daqueles que dirigem o Grêmio. Assim, de que serviria o conselho?
    Enfim, votei na chapa 2 mesmo conhecendo pessoalmente o Duda, sabendo de sua paixão pelo Grêmio e, acima de tudo, de sua idoneidade. Definitivamente não se trata de uma pessoa corrupta, muito pelo contrário. Mas isso não é suficiente para comandar um clube como o Grêmio, que tem sim o diferencial na sua torcida, seja apoiando na cancha, comprando produtos licenciados, mantendo firme e progressivo o aumento do quadro societário, mas acima de tudo, pela fidelidade. Esta, incomparável.
    Virar às costas pra essa torcida é um erro crasso. Inadmissível. Convenhamos, a desavença da direção não se limita aos líderes da Geral, pois estes tem o exclusivo papel de ORGANIZAR a festa na arquibancada. O apoio depende dos demais 6, 7, 8 mil que gastam a garganta a cada jogo do imortal, sem ter qualquer contato com àqueles que lideram, organizam, ou se dedicam extra campo à torcida Geral. Estes que não ultrapassam uma centena, talvez um pouco mais. Que, aliás, em sua maioria também são sócios.
    Quanto ao Vicente, acredito principalmente no seu potencial de entender às necessidades da torcida e do time. Mas primeiro dela, a torcida. Até porque no Grêmio time sem apoio do torcedor não “vinga”. Ademais, já o vi em duas oportunidades caminhando naquela tradicional – ao menos a partir de 2001 – caravana sem igual que só nossa torcida proporciona nos Grenais, onde 6 mil fanáticos, como em uma procissão, seguem ao estádio do adversário ribeirinho. Ele sabe o que é ser escoltado pela nossa “sempre atenciosa” Brigada Militar. Odone e Duda garanto que nunca fizeram tal percurso. Duvido até que já tenham pisando no concreto da geral, imagina o do aterro. É aquela coisa, tem o ônibus da direção sempre disponível, pra que passar trabalho.
    É isso.
    Desculpa pela prolixidade, mas paradoxalmente precisei me estender para ser objetivo.
    O debate só engrandece o Grêmio, pois isso é democracia de verdade.
    Abraço,
    Luciano Borghetti.

  2. julho 8, 2009 3:41 am

    Luciano, antes de tudo, é um prazer debater com você e saiba que, apesar de ser o moderador deste blog, eu prefiro considerar este espaço como se fosse de todos os gremistas que participam e propiciam um debate em prol do Grêmio. E acima de tudo, não sou o dono da verdade e naturalmente posso errar em algumas conclusões, como constatei que errei ao não ser mais especifico neste artigo, ao ler o seu comentário. Portanto, não se preocupe nem um pouco em criticar o conteúdo deste blog, quando achar necessário.

    Errei ao esquecer o episódio da nomeação do Krieger para diretor de futebol, que de fato causou um racha na cúpula que apoiava Odone, entre eles, a que se encontra Vicente Martins, o Movimento Grêmio Independente.

    Então, errei na maneira em que abordei essa questão, principalmente por causa da frase “E é bom salientar que a força excessiva da BM também esteve muito presente na gestão Odone, a quem Vicente Martins representou.”

    Embora eu tenha salientado que tal situação me “parece” oportunismo, ou seja, uma situação que me deixa em dúvida, mas não há uma afirmação de que é de fato oportunismo e seria irresponsável se fizesse essa acusação sem prova alguma.

    Mas eu mantenho, Luciano, essa opinião. Isso me parece oportunismo. Qual argumento? Nenhum que seja muito conclusivo, apenas acho que os dirigentes brasileiros ainda estão engatinhando na relação entre clube e torcedor. E quando ocorre uma grande mudança, como uma revolução, você tem elementos que antecedem e direcionam a esse evento.

    No Brasil, o nosso futebol ainda está distante um tratamento digno por parte dos clubes e das autoridades ao torcedor, pelo aspecto cultural, econômico, estrutural, entre outros.

    Tudo isso, apesar do programa sócio-torcedor, protagonizado no nosso país principalmente por Grêmio e Inter, mas a meu ver, insuficiente para mudar sozinho todo esse panorama. Talvez se houver uma organização entre os sócios para entrarem de maneira mais incisiva na política do clube, possa haver um ponta-pé inicial para uma mudança de maior impacto na relação entre clube e torcedor. Mas não tenho a informaçao da existência de um grupo assim no Grêmio.

    Portanto, eu não creio que com Vicente Martins como governante, a truculência da Brigada Militar aos torcedores gremistas acabaria e a diretoria deixaria de ser omissa a esses absurdos. Por isso, eu achei oportunista essa declaração, embora saliente, posso estar equivocado.

    O que eu errei mesmo, foi não ter abordado de forma mais cuidadosa a relação Paulo Odone e Antonio Vicente Martins. Tanto é que se a Chapa 2 vencesse, André Krieger, chamado por Odone, não seria mantido por Vicente Martins, mesmo que o ex-diretor de futebol não condicionasse a sua permanência à vitória do Duda Kroeff.

    Porém, acredito que com Vicente Martins haveria a manutenção do Roth, apesar da pressão de parte da mídia gaúcha e da torcida gremista, pois mesmo sem o título brasileiro, ele levou o time à Libertadores, que é a grande ambição do Grêmio. E também não haveria mudanças significativas quanto à relação “clube-brigada-torcedor”.

    Sobre a relação entre a gestão Kroeff e torcida, falta dialogo entre as partes. Porque se há gente querendo a saída do Duda até de maneira precipitada (não podemos afirmar, AINDA, que ele é um novo Obino e ele está lá de forma democrática de qualquer maneira), para a minha opinião, por outro lado o nosso presidente não faz um esforço para se aproximar da torcida. Esse é o grande pecado do Duda.

    Só não aprovo em hipótese alguma, quando integrantes da Geral fazem protestos quanto ao corte de subsídios. Acho que todo gremista tem que pagar os ingressos de maneira igual e os subsídios já causaram disputa entre integrantes da torcida. Porém, falta dialogo entre o Grêmio e torcida, para amenizar esse clima incomodo.

    Só isso.

    Luciano, se quiser postar novamente, sinta-se à vontade. Grato por esse debate e abraço.

    Bruno Coelho

  3. Luciano permalink
    julho 8, 2009 12:11 pm

    Perfeitas observações. A questão que levantaste quanto à permanência do Roth, no caso de vitória do Vicente, lembro de ter perguntado a ele, no dia da eleição, quem seria o técnico e o vice de futebol, até porque o Odone também estava lá. Antes, só um adendo relacionado exatamente a isso, ou seja, a boca-de-urna a qual repudio. Ter que ouvir Cacalo perguntar se eu queria ser campeão ou vice da Libertadores, na fila pra votar, é de um absurdo amoral (pra não dizer imoral) que não pode ter espaço nas cercanias do Monumental. Voltando ao que eu dizia, o Vicente deixou a entender que o Odone poderia ser o vice de futebol, sendo que o técnico nada disse, afirmando que não era o momento de especular nomes.
    Ainda, lembrando, inclusive, que a ruptura do Grêmio Independente com a política do Odone simplesmente demonstrou a força do movimento, pois Odone, mesmo após ter sido “abandonado” publicamente por eles, se viu obrigado, agora, a ter o seu nome vinculado ao movimento, e não o contrário, como era o que ocorria até o acontecimento Krieger e cia.
    Subsídios destinados à Geral pela direção não me agradam. O que deve ocorrer é a direção, por exemplo, quando o Grêmio jogar fora, disponibilizar o custeio da viagem e ingressos aos SÓCIOS. Ação simples: envia e-mail aos sócios avisando que num período x, abrirá inscrição para tal viagem. O sócio interessado, inclusive os componentes da Geral, se sócios, comparecem, se inscrevem, e viajam. Evidente que deve haver uma espécie de sanção àquele que tirar a vaga de outro sócio e não viajar. Mas sem dúvida se mostra o sistema mais justo. Lembro, inclusive, que para comprar ingressos pra Bombonera em 2007, cheguei cedo na fila e, graças a isso, consegui um dos poucos ingressos que disponibilizaram aos, pasmem, sócios. E os demais? Ficaram nas mãos dos amigos, dos conhecidos, dos familiares do dirigentes, conselheiros, dentre outras pessoas ligadas diretamente ao clube. Isso não é suposição, eu sei.
    Bom, valeu mais uma vez pelo espaço, e tenha certeza que sempre que pugnares por uma maior proximidade da torcida e o clube, estarei ao teu lado, pois como já disse, sem a torcida o Grêmio é só mais um. E que fique claro aos que hoje gerenciam o tricolor: ninguém tem um DNA diferenciado que o faz mais gremista. O gremismo transparece pelas atitudes. E como eu já tinha dito, tu e a dedição ao blog, exemplifica exatamente isso.
    Abraço e dale sempre!
    Luciano Borghetti.

  4. sergio s. pegoraro permalink
    julho 8, 2009 12:46 pm

    Parabéns aos debatedores. Nível civilizado e de qualidade, faz gosto de participar. Na próxima darei meu ‘pitaco’!

  5. Homero Bellini Junior permalink
    julho 8, 2009 1:02 pm

    Bruno:
    Parabéns pelo blog. Te confesso que não o conhecia. Opiniões claras e bem definidas, mas sempre com postura e educação. Pessoas que assinam suas manifestações e assumem o que dizem, sem a covardia do anonimato, fato cada vez mais comum na internet de hoje.
    Ao Luciano, meus parabéns pela mesma qualidade de ponderações. Debate de altíssimo nível.
    Passarei a ser mais assíduo por aqui, pois vi que vale a pena.
    Abraços a ambos.
    Homero Bellini junior

  6. Cláudio Leite Pimentel permalink
    julho 8, 2009 1:13 pm

    Prezado Bruno:

    Um debate de alto nível é o que interessa a todos os gremistas. Opiniões bem postas, discussão sadia e democrática, irão fazer do Grêmio um clube melhor. Sobre as opiniões apenas um comentário: a questão que enolve a diferença entre o Vicente Martins e o presidente Duda kroeff me parece estar na falta de um projeto deste seja para o futebol, para a administração, para o patrimônio do clube onde se encontra a sua enorme torcida. Entregar estes assuntoa a profissionais competentes é o que fará a diferença.

    Um abraço e saudações tricolores,

    Cláudio Leite Pimentel

  7. Vitorino Mesquita permalink
    julho 8, 2009 10:12 pm

    Bruno: acompanho o teu blog faz muito tempo e, normalmente, gosto do que leio. Acesso ele pelo alma da geral e pelo teu acesso o do Bonatto, o Copeiro e quase todos os outros. A discussão de hoje está muito interessante e com fundamentos tais, que se tornam, por hora, desinteressantes os meus pitacos. Só quero deixar claro que estou muito desconfortável com o acontecido na quinta. A direção foi omissa e, seguindo uma tendência da administração passada, e outras, desrespeitou os sócios, largou as feras, e não existe justificativa para tal. Por essa e outras é que julgo ser o momento para se criar um novo movimento no clube partindo dos sócios, para a defesa dos mesmos e propor uma mudança no modelo de gestão, combatendo os feudos e as regalias, com mais transparência e com democracia, que, aliás, falta faz horas por aquelas bandas.

  8. julho 8, 2009 11:51 pm

    Vitorino, mesmo eu não sendo sócio-torcedor (serei quando tiver estabilidade financeira para isso), torço muito para que haja um movimento feito por sócios que lutem por seus direitos no Grêmio.

    Hoje, eu li uma notícia interessante nesse ponto. Na coluna do Marcelo Damato do jornal Lance desta quarta-feira, sobre a Torcida Jovem do Grêmio, que para ser sócio dessa torcida, primeiro precisa ser sócio do Grêmio.

    Talvez os caros colegas que moram no Rio Grande do Sul já soubessem disso, mas eu, atualmente morando em São Paulo, soube hoje. Esse fato pode ajudar que haja uma participação maior do sócio-torcedor na política do clube.

    Sobre o ocorrido na quinta-feira passada, para mim, a maior derrota do Grêmio não foi em campo contra o Cruzeiro, mas foi o que ocorreu com a torcida gremista diante da truculência da Brigada Militar e da frieza da diretoria e do presidente Duda Kroeff diante dessa incidência. Foi, sem dúvida, o episódio mais triste da atual gestão.

    Saudações a todos que participaram desse excelente debate.

  9. Marco Aurélio permalink
    julho 9, 2009 7:11 pm

    Bruno,
    Concordo plenamente com o Sr.Claudio Leite, o assunto não fica limitado a uma questão de nomes, o que está faltando para o Grêmio é um projeto administrativo,uma nova filosofia e modelo de gestão, uma administração profissional, com profissionais especializados, etc. Agora, o que não é mais possível, mesmo no cenário atual, é essa sucessão de “iguais”, essas oligarquias precisam ser eliminadas do Grêmio.
    Abraços.
    Marco Aurélio

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: